Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Orgulho de ser Portuguesa😍

Um casal francês do nosso circulo de amigos resolveu aproveitar os preços convidativos que Portugal oferece e foi conhecer o nosso país.

Reunimo-nos num “apero” transformado em jantar e trocamos dicas sobre a nossa nação.

Eles embarcaram e passaram 10 dias entre os nossos. Fiquei na expectativa!

 

Será que vão ver o país lindo que eu vejo, ou vão apenas notar os buracos nas estradas?”, perguntava-me eu.

 

Nós tínhamos indicado locais como Aveiro, Sintra, Óbidos, Lisboa, Parque natural da Ria Formosa, Piódão, etc…. Comparando com o país deles, acreditamos que eles não iam sair desiludidos. O problema talvez fosse mesmo o idioma e a sua forma particular de ler e falar, como por exemplo, abrir os “a” transformando tudo em “à”, ou seja, eles não iam à praia, eles iam à “praìà” (ou algo assim).

 

Voltaram e marcamos um encontro para saber como correu.

E estalei de orgulho.

 

Eles não vieram impressionados com o Palácio da Pena, nem com os outros locais que visitaram. O que lhes deixou o gostinho de “quero mais” foi a nossa gente. 😍

 

Eles ficaram hospedados uma vila do centro do país e foi com estupefação que no dia em que chegaram e pararam para perguntar uma direção, viram a senhora portuguesa entrar no seu carro (talvez porque era um casal com três filhos) para os acompanhar até ao local para que não corressem o risco de se perder nos montes.

Eles afirmam que “em França isso jamais ocorreria”.

 

Para completar o maravilhoso postal rural do nosso país, foram brindados quase todos os dias com laranjas do quintal do senhor “x”, ovos da senhora “y”, etc…

 

Mesmo sem falarem uma palavra de francês, aquela gente esforçou-se para que não lhes faltasse nada.

 

No fim do relato, até eu estava estupefacta, porque como vivi muito tempo entre "betão e chapa portuguesa", perdi contacto com este lado lindo de ser português.

 

Expliquei, que nas cidades, vive-se um pouco como aqui em França, as pessoas mal conhecem o vizinho da porta em frente (mesmo ruralmente em França é complicado começar um relacionamento com a comunidade, porque o francês é culturalmente desconfiado do “diferente”), mas que nas aldeias ainda se vive o espírito de vivência solidária. Existe no povo português uma curiosidade pelos “outros” que faz parte da receita da nossa hospitalidade.

 

No fim da noite, eu estava que estalava de orgulho.😍

 

Espero que sejamos capazes de manter essa cultura de hospitalidade, apesar deste mundo desumanizado que vivemos cada vez mais. Portugal merece.

 

(Num aparte, conto-vos que eles confessaram que se perderam na pastelaria portuguesa. Voltaram com pena de não terem visitado todas as pastelarias que encontraram! 😍)