Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Os jovens de hoje...

A expulsão em massa de jovens portugueses por vandalismo de um hotel espanhol deu o mote a uma discussão familiar sobre a educação dos ditos “jovens de hoje”.

A conversa girou em torno das questões habituais:

  • São os jovens de hoje mais mal-educados dos que os jovens de ontem?
  • São os pais que não educam?
  • São as escolas que não dão respostas adequadas?

E os argumentos seguiam a linha tradicional:

  • A educação vem de casa e os pais não fazem o seu trabalho;
  • Os pais não educam, limitam-se a recompensar materialmente os filhos (vá! Isto não é totalmente mentira);
  • As escolas só se preocupam com rankings e esqueceram-se do lado humano;

E de repente ouço a frase:

  • No meu tempo, não era nada disto, nós respeitávamos os professores e os pais!”

Quem me conhece sabe que não precisei de mais nada para enveredar por outro caminho argumentativo naquela hora.

Eu não acho que antigamente se tenha tido mais respeito do que agora. O que eu acho é que antigamente se vivia com medo do professor e dos pais, coisa que hoje em dia não ocorre. E isso era bom? Não me parece. São essas gerações que cresceram no medo que educam hoje as gerações “sem medo”, “sem limites”; “sem auto-estima para dizer “não” aos pares e etc...

No meu entender, a receita educativa ideal, não é nenhuma destas duas experimentadas até agora, ou seja, não é educar no medo e nem na anarquia total. Por isso, olhar para trás, não deve ser feito com saudosismo e sim de olho aberto para que ao tentarmos melhorar a receita educativa não se caia outra vez nos mesmos erros.

Acontece que ao mesmo tempo que “martelamos” o suposto passado educativo “perfeito”, apesar dos defeituosos resultados atuais, insistimos em achar que educar uma criança é uma coisa que se faz por módulos. O que quero dizer, é que acho ridículo essa ideia de que os pais têm um papel e a escola outro completamente distinto, porque eu acredito que o segredo do sucesso educativo é a cooperação entre estes dois sectores.

 

(Talvez continue... preciso reflectir...)