Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

"se está escrito, para si significa que é verdade?"

Estava a ver um antigo debate entre um youtuber brasileiro (que me surpreendeu, tenho de admitir) e um deputado pastor e uma coisa chamou-me à atenção e não foi o assunto debatido (que no caso era a homossexualidade e a validade dos seus direitos ou não).

O que me chamou à atenção é a utilização do argumento "está escrito neste livro".

 

Tenho-me deparado tanto com este argumento que me começo a preocupar. Porquê?

 

A razão é muito simples:

 

Escrever um livro é mais ou menos simples e qualquer um o pode fazer, desde que se proponha a isso. Se investigarem, vão perceber que publicar também não é complicado. O complicado é a publicidade a ele, que custa muito caro e por isso se encontra monopolizada por uns poucos, mas nem isso garante que o se escreveu são verdades absolutas e incontestáveis.

 

Mesmo o que acabo de aqui escrever, é apenas reflexo da minha opinião, visão, vivências e etc.… e que não deve servir para nada mais que uma reflexão pessoal se o quiserem fazer, claro.

 

Mas, hoje em dia, tudo se escreve em todo o lado, por isso se quisermos apoiar a existência de aliens com base em textos escritos, é perfeitamente possível.

 

No referido debate, foi o que aconteceu. Utilizou-se a referência a livros, para dar corpo a argumentos que de outra forma não tinham sustento nenhum.

 

Faz umas semanas e durante a troca de ideias com uma senhora, ela em vez de argumentar a sua posição optou por me exigir os livros onde as minhas ideias estavam escritas, como se isso fosse algum tipo de garantia. E num mundo, onde se sabe que até os (até há pouco) "credíveis" estudos científicos são comprados para defender certos interesses.

 

Eu perguntei-lhe "se está escrito, para si significa que é verdade?"

Ela insistiu "diz-me onde está escrito". Eu não disse, porque tentar mostrar a praia a um cego é possível, mas existe uma condição que tem de estar presente, que é o facto do cego querer ver. E não era este o caso, com certeza, então resolvi não perder o tempo. Até porque a pressão estava a afinar-me a língua, e no caso a senhora era judia e apeteceu-me muito perguntar "segundo o seu pensamento, eu devia acreditar no livro que escreveu aquele senhor que não gostava nada de judeus e no século passado lhe fez bastante mal." Ainda bem que me calei, concordam?

 

Tudo isto para dizer o quê: acreditem no que quiserem e respeitem o que os outros querem acreditar sempre e quando nada disto faça mal a terceiros, mas não se iludam com pseudo-ideias apenas porque foram passadas de um cérebro para um texto digitado, impresso, filmado e etc...

 

Lembrem-se da regra do triângulo: para um objeto se segurar precisa de pelo menos três pontos de apoio, correto? Então para que algo se torne uma verdade para vocês, esperem que esses pontos se formem, de preferência com factos vividos e experimentados e não apenas porque foi escrito ou alguém fez um filme acerca do seu ponto de vista.

Com esta pequenina regra, podemos acabar com muitos "pré"conceitos, e faltas de respeito. Factos esses que geram tanta violência, não é? Concordam que os "pré”-julgamentos de situações que nunca vivemos, geram muita confusão social?

 

Be happy!