Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Conversas para além das fronteiras!

Torres.jpg

 

Num jantar entre amigos de diferentes nacionalidades discutiram-se algumas diferenças: a vida em Portugal e França.

 

A primeira, as condições sanitárias diferentes e óbvias entre os dois países. Em Portugal existiu um salto qualitativo nesta área nos últimos anos. Em alguns casos existiu mesmo exagero no excesso de zelo. Em França, país do Gourmet ainda se valoriza o tradicional. Isto significa mesmo fornos a lenha, colheres de pau e outras delícias do género nas caríssimas cozinhas 5 estrelas francesas.

 

O que a mim mais me desconcerta é o assunto das casas de banho públicas ?! Em Portugal o assunto está bem definido e muito bem resolvido : os espaços públicos têm casa de banho para homens e mulheres, ponto final.

 

Em França, esse assunto é para nós portugueses quase uma anedota. Espaços do tamanho de armazéns não têm casa de banho para uso público. Se precisas vais lá fora, ao cantinho?! E os espaços que a têm deixam muito a desejar na organização e limpeza. É habitual entrar numa casa de banho unissexo, ou existirem casas de banho sem portas ! Para mim um choque, porque o assunto casa de banho em França, não é chique! Então não perdem muito tempo a pensar nisso! Para os portugueses é natural, e por isso toma-se as devidas providências para que as coisas neste sector corram com naturalidade.

 

O assunto escorre entretanto para uma diferença mais óbvia: os salários.

 

A eles, os franceses faz-lhe confusão: “Como é possível viver com 500€ por mês?!”. “Como se paga a casa, os seus consumos: água, luz e gás, e ainda se consegue comer?”

 

Eles ganham em média mais do dobro, tem electricidade mais barata, o preço da alimentação é mais ou menos o mesmo que em Portugal e pode ser bastante difícil para eles.

 

Em Portugal, para sobreviver nos dias que correm tem-se um emprego de 40horas semanais, mais as horas extras mal pagas que apetecer ao patrão. Depois arranjam-se uns biscates para conseguir um extrazito. Aproveita-se as terras dos avós e pais (quem tem essa possibilidade) para poupar um pouco nos legumes e na carne de galinha. E como nada estica, o resto compra-se a crédito. Porque a matemática é cruel:

  • 500€ de entrada salarial+ 25€ de abono do miùdo(um casal com um filho com deles desempregado. Família típica portuguesa da actualidade):
    • Sai:
    • 300€ renda/prestação da casa;
    • 30€ água (muito poupada);
    • 20€ de gás (poupadíssima);
    • 60€ de electricidade;
    • 20€ para comunicações (sem internet e Tv, claro);
    • 100€ em média para deslocações (porque tanto a gasolina, como os transportes públicos estão muito caros);
    • 70€ da mensalidade escolar (porque as escolas pagam-se, as que não se pagam são raras);

Pois só até aqui temos uma média de gastos na ordem dos 600€ e ainda não comemos, não fomos ao médico, e nem vestimos ou calçamos, imaginem actividades de lazer. E depois ainda faltam os impostos!

 

Realmente tem de fazer muita confusão na cabeça destes nossos amigos franceses. A disciplina de matemática em Portugal realmente tem muito trabalho pela frente.

 

Em França, o ordenado médio é de 1150€, o abono superior a 100€ e o subsídio de desemprego existe.

 

Na mesma situação um casal francês com um filho (atípico porque aqui a média é de três filhos por casal. Os abonos valem realmente a pena) receberia: 1150€+100€ e imaginando 500€ de subsídio de desemprego (aqui estou a especular o valor), total: 1750€.

  • Sai
  • 600€ de renda;
  • 60€ de electricidade (o gás aqui não é muito utilizado);
  • 30€ de água;
  • 0€ para escola (são mesmo gratuitas);
  • 25€ para comunicações com internet ilimitada incluída;
  • 100€ para deslocações;

E isto faz a soma de 815€. Sobram-lhes para as restantes despesas 935€.

 

É verdade são contas redondas, mas quem é o português que se pode gabar de que lhe sobrou dinheiro do salário no fim do mês? Poucos, pouquíssimos.

 

Para aumentar a diferença, em Portugal:

  • Trabalha-se mais 5 horas por semana, no horário normal;
  • Temos menos 8 feriados que os franceses;
  • Temos menos dias de férias anuais;
  • Os funcionários em Portugal são Polivalentes, em França limitam-se a fazer aquilo para que foram contratados (Querem mais? Paguem.);
  • Em Portugal se não concordamos com alguma coisa, reclamamos sozinhos ou com o vizinho e em tom baixo. Em França sai-se à rua e discute-se o assunto;

 

Agora surgem-me algumas questões para as quais ainda não tenho resposta:

 

Os franceses vivem acima das suas possibilidades?

Ou os franceses sabem melhor gerir a sua divida pública? Não se colocando a fazer obras megalómanas, que depois não podem sustentar e muito menos pagar?

Ou Portugal é um país de escravos, mascarado de liberdade?

A União Europeia serve para fortalecer a todos os integrantes, ou é uma pirâmide onde os pequenos países como Portugal estão na base para não deixar cair os supostamente maiores como França e Alemanha? Sim porque estes grandes países têm a maior parte da sua produção exportada para os pequenos países da União. Têm cliente garantido?

Será possível a manutenção de paz, com diferenças tão grandes?

Até quando?

Enquanto as pessoas estiverem dispostas a dialogar.