Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Sobre adaptação e integração em novas culturas! Testemunho II – Ana Leão

Continuando a falar desta arte Portuguesa de ir à descoberta do mundo, e da forma como a sentimos e nos adaptamos, deixo aqui mais um testemunho na primeira pessoa.

O segundo testemunho é da Ana Leão, que junto com a família, resolveu partir para o Canadá para tentar encontrar lá, o que o seu país lhe negava: oportunidades. Mais uma vez agradeço-lhe a partilha e convido-vos a ler:

 

A Mudança:

Dia 9 de Maio de 2011 a minha vida mudou...

O meu marido veio para o Canadá à procura de uma vida melhor, de um futuro…

 

Port-cana.JPG

Precisamente um ano depois, dia 7 de Maio de 2012 chegou a nossa hora, malas feitas, despedidas e aí vamos nós para a NOVA AVENTURA.

 

A Felicidade estava estampada no meu rosto, mas não foi fácil. Não e fácil deixar a Família, a nossa Casa, os nossos Amigos...

Aqui chegada, um novo desafio: encontrar trabalho e aprender a nova língua. Por isso, mão à obra e, em pouco tempo dei por mim a trabalhar e a aprender ou, relembrar a nova língua.

 

O Canadá e um País Multicultural, por isso não se sente dificuldade na integração. As pessoas recebem-nos bem, são afáveis. As culturas misturam-se e convivem pacificamente.

 

Aqui tomamos a decisão que este seria o Nosso novo País de Residência, por isso tratamos de ficar legais no País. O processo é lento e rigoroso, e impede-nos de viajar, de visitar a Família e regressar ao nosso País.

 

Com o tempo vamos adquirindo hábitos que não estavam no nosso costume: como beber café em grandes quantidades, tirar os sapatos assim que se entra em casa (seja nossa ou de visita), agradecer e cumprimentar as pessoas a toda a hora, entrar e sair do autocarro e dizer “Hi”, “hello”, “thank you”, “have a nice one”. Já se tornaram  hábitos.

Foto ana e a neve.JPG

 

Outro desafio deste País é o clima: muito frio e neve no inverno. As temperaturas vão muitas vezes aos “-20” ou mais, por isso agasalhos são aconselhados, botas de neve, luvas, cachecóis e tudo o que nos protege do frio.

 

A Cidade fica Linda de Branco, as árvores parecem que têm cristais pendurados, o dia fica mais iluminado devido ao reflexo da neve.

 

Outra curiosidade é vermos os esquilos a atravessar a rua ou estarem mesmo ao nosso lado em busca de comida.

Na primavera e no verão também podemos ver os Gansos e os seus filhotes atravessar as estradas, e as pessoas respeitam e param os carros para eles passarem.

 

Em todos os cantos da Cidade ouvimos um Português a falar, seja no “Bus” (autocarro), seja no café, no supermercado, etc… A nossa Comunidade é uma das maiores, e por aqui os Portugueses são vistos como pessoas simpáticas e trabalhadoras.

Quase 4 anos passaram, as saudades são muitas. Enormes.

 

Talvez um dia volte, mas por agora sei uma coisa:

É por aqui que eu vou querer ficar durante algum tempo, pois esta Terra ainda tem muito para eu viver e explorar.- Texto e foto de Ana Leão.

 

Para ler também a primeira parte do testemunho de Andrea Abreu (França), clique aqui.

Para ler também a segunda parte do testemunho de Andrea Abreu (França), clique aqui.

Para ler também o testemunho da Elena Oliveira (Venezuela-Portugal), clique aqui. 

Para ler também o testemunho da Carla Tavares (Alemanha), clique aqui. 

Para ler também o testemunho da Carla Vieira (Alemanha e França), clique aqui.