Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

A procura do equilíbrio social...

O direito à greve mais não é que uma forma de lembrar a quem for preciso, que não existem grandes investidores sem grandes trabalhadores.

 

O que acontece hoje em dia com esse direito que foi duramente conquistado é que campanhas patrocinadas pelo patronato querem nos fazer crer que quem luta pelos seus direitos através da greve é malandro. E o mais grave é que aqueles que se vêem empurrados a fazer greve ficam despojados do seu ganha pão ao mesmo tempo que assistem às empresas fazerem batota descarada ao contratarem temporários para ocuparem o seu lugar.

 

França assiste a um mês de Abril cheio de greves marcadas e a que se tem destacado é a greve dos colaboradores de transportes ferroviários (SNCF que será o equivalente à CP em Portugal).

Estrategicamente, temos visto o governo a adiar as negociações o mais que pode de forma a que quando se sentarem para negociar, os ferroviários sem dinheiro já estejam suficientemente desesperados para aceitar quaisquer condições mesmo que injustas.

 

Mas, num movimento nada habitual (mas totalmente brilhante na minha opinião) o sociólogo Jean-Marc Salmon resolveu fazer uma espécie de "vaquinha" para juntar dinheiro e dessa forma ajudar os grevistas. Esta acção equilibra a balança e na mesa de negociações a discussão será de igualdade e a única coisa a falar será dos factos e os acordos a que se chegar deverão ser mais justos para ambos os lados. Esta acção elimina o factor "desesperado" e equilibra a balança de batota que tantas vezes vemos acontecer impunemente.

 

A "vaquinha" já arrecadou mais de 270 000€. Nada mau!

 

Tiro o chapéu ao M. Jean-Marc Salmon por tão simples e bela ideia.

Viva a igualdade de circunstâncias! Pode ser que os grandes empresários, sem o factor batota, se lembrem finalmente que pare serem "grandes" alguém tem de estar na base a fazer um excelente trabalho. Que esse trabalho seja no mínimo humano e digno.

 

http://www.lemonde.fr/entreprises/article/2018/04/04/sncf-une-cagnotte-de-soutien-aux-grevistes-depasse-190-000-euros_5280597_1656994.html

 

Pág. 1/2