Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Amamentar em público 2021

Ano 2021, já contamos com mais de vinte séculos de história depois de Cristo e, continua a existir algo que não nos permite evoluir de todo, no bom sentido.

Uma mãe foi agredida por uma senhora por estar a amamentar o filho num local público. Isto não ocorreu no terceiro mundo, isto aconteceu numa cidade dita evoluída do aclamado primeiro mundo. Podem ler a notícia aqui.

Contudo deixo-vos um resumo: Em Bordeaux (França), Maÿlis foi recuperar uma encomenda e o seu bebé recém-nascido acompanhou-a. A criança chorou de fome enquanto ela esperava a sua vez. Depois de ter tentado acalmar a criança sem resultado, resolveu abrir a camisa desenhada para o efeito e amamentá-la. Esse, simples e natural, gesto fez uma senhora sentir-se no direito de lhe gritar e agredi-la, sem que nenhum dos presentes movesse um dedo para a apoiar e ajudar. Humilhada e com uma criança nos braços, Maÿlis voltou para casa sem reagir. Porém não se calou e ainda bem!

AMAMENTAR.JPG

O método natural de alimentação de um recém-nascido foi o suficiente para uma mulher agredir outra. O facto de ninguém ter reagido em apoio à mãe agredida, colabora para que na cabeça da agressora esse direito de interferir na amamentação de uma criança publicamente se solidifique.

Parece que socialmente ter uma criança a chorar com fome, quando o alimento está pronto e disponível, é mais aceitável que exigir que adultos "civilizados" controlem os seus instintos animais. Exigir controlo a uma criança acabada de nascer e a uma mãe, com noites mal dormidas e um corpo em recuperação, parece mais plausível para alguns, do que exigir a adultos educados e civilizados que se controlem.

 

Tudo vale, desde que, aquele que se tenha de controlar não seja eu. O outro, mais fraco e frágil, que se ocupe de conter aquilo que eu não consigo! Essa parece ser a premissa que nos guia socialmente.

Sinceramente às vezes tenho dificuldade para entender este processo educativo-civilizatório que nega os processos naturais da espécie, como comer, beber água, amamentar, urinar, etc... Criámos todo um teatro para fazer uma simples refeição, proibimos funcionários de ir à casa-de-banho, as crianças são impedidas de beber água nas escolas para não usarem as casas-de-banho com frequência, os turistas são convidados a visitar grandes cidades sem que as infra-estruturas básicas sejam disponibilizadas (não sei se isso acontece em todo o lado, mas a título de curiosidade, em Paris é difícil encontrar uma casa-de-banho, mesmo em espaços públicos, porque segundo eles a manutenção destas é muito cara), as mulheres são agredidas por alimentarem os seus filhos discretamente na rua.

É difícil, para mim, entender onde está a ofensa no facto de uma mulher amamentar publicamente!

É complicado compreender "o porquê" de termos de ser nós a evitar o comportamento natural da espécie para que o comportamento "animal" dos outros seja contido, quando na realidade devia ser o outro a domesticar o animal que leva dentro.

A violência só será contida quando as pessoas forem ensinadas a autocontrolar-se respeitando o outro na sua plenitude e liberdade, porque este método de impor comportamentos antinatura para controlar a violência alheia já leva milénios a provar que não funciona. Para ensinar o RESPEITO é preciso praticá-lo e na educação o exemplo é rei. Por isso mesmo, quando formos espectadores de situações como a que ocorreu a esta mãe, não devemos olhar para o lado. Calar é apoiar e solidificar um comportamento que precisa ser repensado e mudado. 

Calendário

Maio 2021

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub