Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

“– Olá, como estás?” (1)

Essa simples pergunta do título, feita quase sempre em piloto automático, obtém a mesma resposta a maioria das vezes:

“– Bem. E tu?”

Estamos realmente bem, quando respondemos isso? Estamos realmente interessados, quando fazemos essa pergunta?

Imagem de 坤 张 por Pixabay 

mascaras.JPG

O que dizemos uns aos outros, na grande maioria das vezes, está padronizado, inclusive a bendita pergunta sobre o estado de ânimo do outro. Eu já fiz a experiência de responder “não estou bem” e quase sempre obtive uma cara de pânico, do meu interlocutor. As pessoas, na sua grande maioria, não estão preparadas para lidar com o mau-estar alheio. Façam a experiência e se quiserem, partilhem aqui comigo.

Talvez exista uma falha educacional nesse sentido. Somos educados para buscar a felicidade, são poucos os educadores que apostam numa educação que ajude a criança a compreender, também, a sua própria tristeza. Quando uma criança chora, a resposta é deixa-la sozinha a lidar com esses sentimentos ou dizer frases de guião, como por exemplo a irónica “logo não fazes xixi na cama”, a indiferente “isso já te passa” ou pior “toma lá isto e pára de chorar”. Para não falar dos casos que acham que uma bofetada é a resposta (não é, deixo já aqui esclarecido). Este tipo de resposta, por parte dos educadores, à infelicidade dos mais pequenos, deixa uma mensagem subliminar poderosa: "se ficares triste, ficarás sozinho". Há uma desvalorização desse tipo de sentimentos por parte do adulto e isso depois transforma-se num padrão, que a criança repetirá na sua relação com o outro.

Raramente se vê os pais abraçarem os filhos e conversar sobre a razão daquelas lágrimas. Eu vejo muito pouco, mas felizmente parece um comportamento cada vez mais frequente. Isso dá-me um pouco de esperança nas mudanças futuras, porque falar sobre isso fará compreender esses mecanismos internos. É mais fácil aceitarmos o que compreendemos, tanto em nós, como no outro.

Não ignorem a tristeza, falem sobre ela. Não precisam ser técnicos, é só ter um par de ouvidos e algum interesse no outro. De preferência, sem julgamentos. Eu sei que é difícil, porque estamos programados para buscar nos nossos arquivos, as ideias pré concebidas que carregamos, para tentar desvendar os mistérios da vida, contudo nestes casos o melhor é preparar-se para ser surpreendido.

#livredemascaras

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.