Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Small talk, de que falam os portugueses

Depois de cerca de uma década de ausência voltei a Portugal há uns meses. Esse afastamento, essa saída da "ilha" de que nos falou Saramago, permitiu-me olhar para alguns detalhes com outro reparo. Uma das coisas que mais me tem chamado à atenção é o assunto preferido das conversas entre portugueses. Na Inglaterra as conversas incluem o estado da meteorologia, na França arranjam sempre uma forma de falar de comida, e nós, os portugueses?

Mastering-small-talk.png

Os meus ouvidos têm identificado um padrão: conversa sim, conversa sim, conversa não, estamos a falar de doenças. A conversa típica portuguesa acaba sempre com a enumeração das doenças e tratamentos sofridos por algum dos intervenientes. E este comportamento é transversal a todos os grupos. Pelo menos, a todos os que eu pude identificar!

Cruzamos-nos apressados com a vizinha do quarto esquerdo, sorrimos, dizemos "bom dia" e pomos a pergunta "tudo bem?", por educação. O habitual é receber um "tudo bem." ,que não casa com a expressão facial. Enquanto, a boca profere a típica resposta à pergunta, em que poucos se importam com a resposta, a cara grita "ai! se eu te contasse". Um dia sobra um pouco de tempo e ela, realmente, conta as maleitas, numa anamnese pormenorizada. O mesmo ocorre no nosso ambiente de trabalho: chegamos, cumprimentamos as colegas com a fórmula tradicional e lá está a expressão facial aos berros "se tivéssemos tempo, eu contava-te". Vamos à sala da chefe, uma pessoa empoderada, que parece estar em todo o lado, o tempo todo, até que numa pausa começa: "não durmo uma noite inteira há anos; tomo vitaminas para aguentar o ritmo; apareceu-me uma alergia; o meu estômago está uma lástima; ..." - e ficamos a pensar "nem os super heróis escapam aos males do corpo".

Com este texto não pretendo minimizar a dor de ninguém, porém, acredito que é necessário prestar atenção a isto e começar a questionar-nos "o porquê". Na cafetaria, na sala de espera, no comboio; onde dois portugueses se cruzarem há uma grande probabilidade de adivinhar o assunto da conversa, mesmo sem ouvir uma palavra trocada, porque o padrão está aí para quem quiser prestar atenção.

  • O que é que isso diz de nós e da nossa sociedade?
  • Somos um povo de hipocondríaco?
  • Ou é a forma como nos organizamos socialmente que nos adoece?

Alguma causa tem de existir. As doenças costumam ter explicação, mesmo que ainda não a conheçamos. "São coisas da cabeça", podemos ser levados a dizer, contudo, até as "coisas da cabeça" têm causas e, muitas vezes, cura.

Não tenho uma explicação para este fenómeno, mas acredito que alguns vícios sociais/culturais contribuem, e muito!, para este nosso retrato falado do nosso povo:

  • a mania de que "há sempre alguém pior que nós" como forma de não nos responsabilizarmos pelo trabalho que dá ficarmos melhor,
  • esse hábito de assinar um contrato de trabalho e dar gratuitamente a propriedade total sobre o nosso tempo ao patrão, que passa a dispor como lhe der na gana de toda a nossa vida,
  • achar que dormir é um luxo dos preguiçosos e, por isso, não se dorme, nem se deixa dormir,
  • outro grande luxo, que erradamente desprezamos, é o de organizar horários para refeições, 
  • não nos podemos esquecer de tudo aquilo que fazemos sem limite admissível: beber café como se não houvesse amanhã, beber "loiras" até ao vómito para não parecer betinho, dar-lhe à aguardente logo de manhãzinha para anestesiar o dia que já sabemos será uma "grandessíssima porcaria",
  • achar que salário é um gesto solidário do patrão e por esse motivo devemos agradecer o pouco que cair na conta no final do mês,
  • para depois perder noites de sono a tentar decidir que contas se pagam este mês e que contas se deixarão acumular até ao próximo subsídio ou esmola governamental,
  • e não podemos esquecer essa sensação de insegurança que se nos vai infiltrando na alma quando percebemos que não temos coragem para fazer nada, enquanto, nos vão destruindo os pilares sociais: da saúde, da educação e da justiça,
  • este último, talvez um dos mais graves, porque é impossível não desesperar de ansiedade quando percebemos que não contamos com nada para nos defender, a não ser que: se alimentem umas quantas cunhas se houver dinheiro, ou se houver muito, mas mesmo muito dinheiro calarmos qualquer processo contra nós.

Talvez a explicação esteja entre essas situações descritas, talvez existam outras para acrescentar, ou talvez não seja nenhuma delas.

O que me parece realmente preocupante é: esse ser o nosso tópico preferido de conversa e como nos aplicamos para detalhar cada sofrido pormenor, que é imediatamente desvalorizado pelo interlocutor, que com certeza tem maleitas piores para descrever, assim que tiver oportunidade. 

De uma coisa eu estou certa: este não era o país que eu esperava encontrar na minha volta às raízes. Não sei se fomos sempre assim e a distância o apagou da minha memória, ou se realmente a nossa situação piorou, contudo, preferia a imagem que carregava ao longe "um povo de brandos costumes que come bem sem ter de estar sempre a falar nisso e é abençoado com sol ao ponto de provocar inveja nos mais ricos do continente". É uma pena que essa imagem se desvaneceu entre descrições de depressão, cancros variados e doenças digestivas para todos os gostos.

Calendário

Fevereiro 2024

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub