Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aerdna no Mundo?

A definição da palavra "mundo", não é restrita. A minha preferida, engloba os vàrios conjuntos de realidades concretas e imaginadas. Aqui veremos o mundo pela escrita de Aerdna.

Aumento de PREÇOS e os seus efeitos macabros

Na imprensa francesa foi contada a experiência do jovem padeiro Julien Bernard-Regnard com o aumento generalizado dos preços, e em particular com o aumento da factura de electricidade. A história deste empreendedor, dono de uma padaria na vila de Bourgaltroff (Moselle), é um retrato muito interessante e atual. Deixa-nos a pensar!

Com o aumento do preço das matérias-primas, Julien teve de ajustar o preço de venda dos seus produtos. Contudo esse ajuste tem um limite, para não perder clientes e o seu negócio deixar de fazer sentido. Tudo estava controlado até setembro passado, quando a sua factura de electricidade passou de 450€/mês a 1300€.

Abismado, recusou-se a fechar a porta e colocou todos os seus esforços para diminuir essa factura. Assim que passou a começar os trabalhos às 2h da madrugada, em vez das habituais 4h, para poder aproveitar ao máximo os preços mais baratos da electricidade no horário vazio. Desligou tudo o que não era imperativo para o funcionamento da loja e acabou com a produção depois do meio-dia. O consumo baixou um pouco, mas os preços voltaram a mudar e a sua factura aumentou para 1400€/mês.

Era preciso diminuir os gastos. Ele não tinha como prescindir da electricidade: forno, câmara fria, vitrines refrigeradas... Se não podia baixar a factura da electricidade, tinha de recorrer ao que todas as empresas do mundo recorrem quando precisam diminuir gastos rapidamente: despedir. Assim que a sua vendedora foi dispensada e ele assumiu todo o trabalho sozinho: da produção à venda. O seu horário rondava as 100h/semanais.

Porém, apesar de todos os seus esforços, viu o fundo ao poço. Recusou-se a percorrer o mesmo caminho que outros do sector, que não viram mais saída que piratear o contador, e declarar FALÊNCIA foi o único que lhe restou. De setembro a janeiro, um negócio que funcionava, e dava emprego, faliu.

Podia-se ter evitado?

Tendo em consideração os lucros de alguns sectores que têm vindo a ser publicados, eu acredito que sim. Bastava que houvesse políticas para controlar o preço do lucro.

O-LUCRO-QUE-LEVA-A-FALÊNCIA.JPG

Olhando para o panorama geral, o que realmente ficou mais caro foi a margem de lucro, não as matérias. Um pequeno grupo de gente "privilegiada" está a tirar partido do azar do povo ucraniano, e por consequência de nós. Hoje, enquanto accionistas de empresas de energia, do sector bancário, do sector imobiliário lucram como já não faziam há décadas, pequenos negócios estão condenados a desaparecer, e com eles os empregos que sustentavam muitas famílias. 

Ouvimos discursos constantes de que temos de poupar e poupar. Insistem que a solução está dentro de nós e outras manipulações retóricas. Só que enquanto nós passamos frio para não ligar o aquecedor, eles poupam nos gastos de produção com a electricidade que deixamos de consumir e aumentam os preços para não perder o rendimento líquido das facturas que pagamos. Negócio redondinho!

Se pensarmos que os nossos impostos pagam uma máquina chamada Estado para que esta se ocupe de não deixar a balança de interesses se desequilibrar, creio estar na hora de perguntar o que é que vai ser feito efectivamente para que a história de Julien não se multiplique em terras lusas. Já chega de nos entreterem com a novela das contratações, onde nunca ninguém sabe, num tempo em que se sabe de tudo e de todos.

Podíamos começar por aumentar o preço do trabalho de acordo à inflação, usando o mesmo argumento que eles usam para nós pagarmos mais pelos serviços. Se os preços aumentam por causa do suposto aumento das matérias-primas, nós também o precisamos reflectir no preço do nosso trabalho, afinal comemos mais caro, deslocamo-nos mais caro, pagamos mais para aprender e curar. Um corpo humano gasta muito para estar apto para o trabalho, também temos direito à nossa justa margem de lucro, seguindo o raciocínio capitalista.

A única forma de abrandar esta "crise" é que os políticos cumpram a sua função: impedindo que alguns ganhem mais do que precisam e evitando que outros não ganhem o suficiente. Infelizmente, eles recebem mais pressão da parte dos capitalistas que estão sempre a soprar-lhes no ouvido. Para equilibrar isso, é preciso que o povo também faça a sua voz retumbar.

Calendário

Fevereiro 2024

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub